Volume 6  |  número 1

html

Análise da interação terapeuta-cliente em sessões iniciais de atendimento

Karina Ferraz Tozze, Alessandra Turini Bolsoni-Silva, Vagner Angelo Garcia e Patricia Luiza Nunes

 

doi: 10.18761/pac.2015.6.1.a02

Resumo

A interação terapêutica é apontada, na literatura, como um fator fundamental para os processos de mudança em sessões de psicoterapia. O objetivo do estudo foi identificar e analisar a frequência e a duração de comportamentos de terapeutas e clientes em sessões iniciais. Participaram da pesquisa dez estagiários e vinte clientes. As sessões foram gravadas em áudio e categorizadas por dois observadores que utilizaram o Eixo Verbal Vocal do Terapeuta e do Cliente do Sistema Multidimensional para a  Categorização de Comportamentos da Interação Terapêutica (SiMCCIT). Os resultados foram agrupados em termos de frequência e duração das categorias e foram realizadas análises de correlação (Teste Spearman’s Rho) entre as categorias. Facilitação e Solicitação de relato foram as categorias mais frequentes para o terapeuta e Relato foi a categoria mais frequente para o cliente. Solicitação de relato (terapeuta) e Relato (cliente) tiveram, também, maior duração. Houve correlações positivas entre as categorias Informações/Relações, Informações/Solicitação, Interpretação/Concordância e Aprovação/Metas. Entre as correlações negativas estão Empatia/Melhora; Empatia/Solicitação e Informações/Relato. Os resultados parecem confirmar o esperado para as primeiras sessões de intervenção, em que o objetivo, sobretudo, é acolher e colher dados, sendo a Facilitação e a Solicitação de Relato os principais manejos. Discute-se implicações para pesquisas futuras.

Palavras-chave: interação terapeuta-cliente, categorização, sessões iniciais, pesquisa de processo em psicoterapia.

 

 

Abstract

In the literature, the therapeutic interaction is highlighted as a key factor in the processes of change in psychotherapy sessions. The aim of this study was to identify and analyze the frequency and duration of therapists’ and patients’ behaviors in initial sessions. The study participants were ten students and twenty patients. The sessions were audio recorded and categorized by two observers, who used the “Verbal Vocal Therapist Behavior” Axis presented in the “Sistema Multidimensional para a Categorização de Comportamentos da Interação Terapêutica (SiMCCIT)”. The results were grouped in terms of frequency and duration of the categories and correlation analyzes were carried out (Spearman’s Rho test) between the categories. The “Facilitation” and “Report Request” categories were the most frequent for the therapist and the “Report” category was the most frequent for the patient. The “Report Request” (therapist) and “Report” (client) categories also presented the longest durations. There were positive correlations between the “Information”/“Establish Relations”, “Information”/“Request”, “Interpretation”/“Agreement” and “Approval”/“Goals” categories. The “Empathy”/“Improvement”; “Empathy”/“Request” and “Information”/“Report” categories presented negative correlations. The results seem to confirm what is expected for the first intervention sessions, in which, above all, the goal is to welcome the patient and collect data, with Facilitation and the Report Request being key strategies. We discuss implications for future studies.

Keywords: therapist-patient interaction, categorization, initial sessions, psychotherapy research process.

 

 

Resumen

La interacción terapéutica, para la terapia conductual-analítico, se identifica como un factor clave en los procesos de cambio en psicoterapia. El objetivo es identificar y analizar la frecuencia y duración de los terapeutas de conducta y clientes en las sesiones iniciales. Los participantes fueron diez y veinte personas en formación a los clientes. Las sesiones fueron grabadas en audio y categorizado por dos observadores que utilizaron el sistema de clasificación del cliente y las conductas del terapeuta (SiMCCIT). Los resultados fueron agrupados en términos de frecuencia y duración de las categorías y los análisis de correlación se realizaron (prueba Rho de Spearman) entre las categorías. Facilitación y solicitud de informes son más comunes para el terapeuta e informar al cliente. Petición de informes (terapeuta) y Presentación de Informes (cliente) son la mayor parte del tiempo. Hubo correlaciones positivas entre las categorías Informaciones / Relaciones, Información / Solicitud, Interpretación / Concordia y Aprobación / Metas. As correlaciones negativas eran Empatía / Mejora; Empatía / Solicitud de Información y / Informes. Los resultados muestran que la aplicación de Facilitación y Reportes eran la gestión principal afectada. Se discuten las implicaciones para la investigación futura.

Palabras clave: interacción terapeuta-cliente, categorización, Las sesiones iniciales.